7° Boletim de Conjuntura Econômica mostra que financiamentos imobiliários cresceram em Toledo

7° Boletim de Conjuntura Econômica mostra que financiamentos imobiliários cresceram em Toledo

O Boletim de Conjuntura Econômica do Município de Toledo (PR), realizado entre parceria da Associação Comercial e Empresarial de Toledo (ACIT) e o Núcleo de Desenvolvimento Regional (NDR) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) – campus Toledo, chegou a sua sétima edição.

Os textos e análises de cunho informativo, são direcionados aos cidadãos, empresários e gestores públicos. Os dados apresentados são de fontes oficiais e de organizações públicas e privadas.

Nesta edição, o Boletim traz informações sobre movimentação financeira nos bancos comerciais, imigração haitiana, produção leiteira, frustração de safra de verão, despesas com saúde e internações hospitalares, cesta básica de Toledo, entre outros assuntos.

Uma informação de destaque é que o saldo de financiamentos imobiliários no Oeste do Paraná apresentou uma variação percentual positiva de julho a dezembro de 2021. As maiores variações foram registradas em Foz do Iguaçu (5,32%), Palotina (4,56%) e Cascavel (3,95%). Em Toledo, os financiamentos imobiliários cresceram em 2,72%, apesar do aumento na taxa Selic de 4,25% (julho de 2021) para 9,25% (dezembro de 2021).

Sobre a imigração haitiana, o Boletim mostra que em 2019 estimava-se que havia mais de dois mil haitianos em Toledo, e
ainda outros 300 imigrantes de outras nacionalidades, tais como senegaleses e nigerianos. Com essas pessoas no mercado de trabalho e se instalando de forma fixa na cidade de Toledo, em sua grande maioria, elas necessitam utilizar de sistemas bancários para recebimento de salários, movimentações, envio do dinheiro a seu país de origem, entre outros. A cooperativa Sicredi, do bairro Jardim Panorama registrou desde a abertura da agência (agosto/2021) um aumento de 61 aberturas de contas para pessoas de origem haitiana, representando 4% da carteira geral de associados.

Sobre a safra paranaense de 2021/2022, que foi fortemente atingida pela estiagem no período de desenvolvimento vegetativo das plantas, nos meses de novembro e dezembro, impondo perdas severas aos produtores, em especial na região Oeste do estado, o Boletim traz informações, que conforme o Departamento de Economia Rural (Deral), o estado sofreu perdas da ordem de 45% do volume de soja colhido, cerca de 10 milhões de toneladas. Mesmo com incremento na área destinada à soja das últimas três safras, cerca de 5,7 milhões de hectares, o estado produziu aproximadamente 11,6 milhões de toneladas, muito menos que na safra 2019/2020, quando colheu 20,7 milhões de toneladas de soja, principal grão produzido na safra de verão. (DERAL, 2021; 2022).

Outra informação que revela o tamanho da perturbação causada pela seca é a comparação do volume efetivamente colhido (11,6 milhões de toneladas de soja) com a estimativa de safra divulgada pelo DERAL no início da safra: cerca de 25 milhões de toneladas de grãos (cerca de 22 milhões de toneladas de soja).

Ao se calcular as perdas financeiras decorrentes da redução de safra, percebe-se que no estado deixou de circular valor próximo a R$ 30 bilhões de reais. Para fins ilustrativos, é como se cada paranaense deixasse de receber R$ 2700,00 reais nesta safra de verão.

Baixe o Boletim de Conjuntura Econômica do Município de Toledo – 7° edição pelo link https://acit.org.br/servicos/area-de-download.

REDES SOCIAIS

Receba nossas novidades

Cadastre-se em nossa newsletter e fique
por dentro de tudo que acontece.