Movimento Brasil mostra sua garra mobiliza empresários do Oeste

Movimento Brasil mostra sua garra mobiliza empresários do Oeste

Cerca de 500 pessoas, entre empresários, dirigentes e lideranças das Associações Comerciais da região Oeste, filiadas à Caciopar, participaram do lançamento regional do movimento Brasil Mostra sua Garra, no Parque de Exposições de Cascavel, na manhã de sábado (21).

A Associação Comercial e Empresarial de Toledo (Acit) foi representada por empresários, conselheiros e diretores, em caravana liderada pelo presidente Danilo Gass. Também participaram os ex-presidentes Edson Carollo, Mário Costenaro, Edésio Reichert, Hermes de Césaro e Ernesto Boettcher.

Mudar critérios na escolha de representantes e alterar a forma das eleições são alguns dos pontos que empresários do Oeste consideram mais urgente para começar a corrigir históricas e sérias distorções que causam tantos problemas no Brasil. A política é a mais urgente das reformas nacionais, afirmaram no sábado.

Dois pontos são considerados consensuais na reforma política: o fim da reeleição e a unificação dos pleitos eleitorais. O movimento terá novas etapas, passando a partir de agora pelo aprofundamento de aspectos importantes de reformas indispensáveis para o Brasil, diz o presidente da Caciopar, a Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do Oeste do Paraná, Sergio Antonio Marcucci, que é de Marechal Cândido Rondon. "Vamos ouvir especialistas e estudiosos nos temas propostos e então definir o que é mais urgente".

O ex-presidente da Acit e coordenador da Indústria da Caciopar, Edson Carollo, fez a leitura de um documento que convidou os cerca de 500 presentes à reflexão. Ele fez apontamentos sobre a histórica relação da corrupção com as esferas do poder e os interesses que movem campanhas para deputados, governadores, senadores e presidente. O pleito mais recente custou R$ 5 bilhões, oito vezes mais do que os cerca de R$ 750 milhões de 12 anos atrás. Que tipos de vantagens movem somas tão expressivas e ainda com dividendos", perguntou Carollo.

A elevação da carga tributária também foi alvo dos pronunciamentos. Ela era de 16% na década de 1950, passou para 24% na de 1980 e hoje está na casa de 37% do Produto Interno Bruto. E essa soma gigantesca, que chega a R$ 2,5 trilhões por ano, parece não ser suficiente para oferecer educação, saúde e segurança pública de qualidade e muito menos para gerar oportunidades aos brasileiros.

"Não dá mais para ficar calado, o sistema facilita a má gestão, corrupção, levndo a uma séria crise política, moral e econômica. O governo toma medidas equivocadas, na contramão do desenvolvimento e os empresários, a população, afinal de contas, é está pagando a conta", argumenta o presidente da Acit, Danilo Gass.
Cinco eixos balizam os trabalhos do movimento: justiça, ética, respeito, transparência e responsabilidade. Outros aspectos que deverão ser aprofundados nas discussões da reforma política, são o voto distrital e o financiamento das campanhas eleitorais. Outras reformas foram citadas como urgentes como a administrativa, para diminuir e tornar mais eficiente a máquina pública, a tributária, para reduzir a carga de impostos, a previdenciária, para tornar critérios do setor mais justos, e a trabalhista, para melhorar as relações entre patrões e empregados.

O movimento sob liderança da Faciap conta com a participação de 12 coordenadorias no Estado, que representam 295 associações comerciais. No sábado também aconteceram movimentações nas demais ACE’s, como em Londrina, Maringá, Guarapuava, Ponta Grossa, entre outras.

REDES SOCIAIS

Receba nossas novidades

Cadastre-se em nossa newsletter e fique
por dentro de tudo que acontece.