Autoridades reúnem-se para discutir viabilidade de terminal de transbordo ferroviário em Toledo

28 de abril de 2021

A Nova Ferroeste, estrada de ferro que terá 1.285 quilômetros de extensão total e que vai ligar Maracaju, no Mato Grosso do Sul, ao Porto de Paranaguá, no litoral paranaense, dando origem a um dos mais importantes corredores de exportação do país, foi tema de encontro nesta quarta-feira (28) na Prefeitura de Toledo.

O debate entre representantes do Governo Estadual, Governo Municipal, Câmara de Vereadores, Casa Civil, comitiva Ferroeste, lideranças da região e representantes do setor produtivo, teve o objetivo de discutir a viabilidade da implantação de um terminal de transbordo ferroviário em Toledo.

Para representar a ACIT, o presidente Claudenir Machado, a vice, Anaide Holzbach de Araújo e o diretor Institucional, Mario Lopes Neto, participaram do encontro, acompanhados do diretor de Patrimônio Diego Bonaldo, que também ocupa o cargo de Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico, de Inovação e Turismo e Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O deputado estadual licenciado e Secretário Estadual da Administração e da Previdência (Seap), Marcel Micheletto esteve no encontro e ressaltou a importância de Toledo ao desenvolvimento do estado. “Uma cidade pujante, representativa e destaque em todo o Paraná. Estamos mostrando ao Governo e aos integrantes da Ferroeste, todos os esforços de equipes para apresentar dados e análises importantes de nossa macrorregião e principalmente de Toledo, para que seja prestigiada com um terminal ferroviário local.”

Durante o evento no auditório da Prefeitura, estudos foram apresentados. Entre eles analises especificas de Toledo com informações sobre produção agropecuária, produção e valor bruto de produção (VBP), consumo e produção, consumo ração, projeções para os próximos anos em abate suíno, entre outros aspectos. A intenção é demonstrar o potencial do município e a necessidade e demanda do setor local.

A concessão do projeto à iniciativa privada, em leilão na Bolsa de Valores, tem previsão para ocorrer até novembro de 2021 e a partir disso, o início da construção da nova malha ferroviária.

O presidente da Ferroeste, André Luiz Gonçalves ressalta que a vinda constante a Toledo é forma de firmar compromisso para que todas as oportunidades da região sejam repassadas ao vencedor da concessão. “O material irá em mãos ao vencedor e com isso, o operador estará munido de informações e poderá decidir de que forma irá realizar o traçado.”

Segundo o presidente da Acit, Claudenir Machado, é papel da entidade estar envolvida nas discussões, tendo em vista o impacto econômico que o modal ferroviário pode gerar a região. “Há estudos que dizem que o transporte ferroviário chega a ser 30% mais barato que o transporte rodoviário tradicional. Temos foco no agro e em toda a cadeia produtiva, por conta disso Toledo anseia pelo avanço, que é uma luta de longos anos”, conclui.